Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 17/07/18 in all areas

  1. 14 points
    Caríssimo, Tendo em conta a falta de respeito demonstrada no tópico sugiro que cries um tópico com melhor educação. Até lá, podes esperar pelas permissões sentado. Obrigado
  2. 13 points
    BOAS rapaziada trago aqui um assunto muito importante acerca do abuso do poder dos mods de hoje em dia, por volta desta hora fui me metido varias descriçoes na qual nao gostei. VOU PASSAR A CITA LAS: "puta do aimar" "corrido dos MP" entre outros esta situaçao nao pode ser calada!!!!!! ja com otura pessoa o @limaestorgado foi movido sequencialmente do chanel varias vezes sem justificaçao nenhuma Com este print voces conseguem ver o abuso do poder a começar na mudança do chanel excessiva para uma pessoa gorda como o lima e a descriçao do lima que para mim e um insulto PARA TERMINAR GOSTAVA DE PEDIR A COMUNIDADE PARA NOS UNIRMOS E ACABAR COM ESTES MAL TRATOS!!!! NOS NAO SOMOS JOGADORES SOMOS PESSOAS FORA COM O AIMAR !!!!!! LIMAESTORGADO AO PODER!!!!! objetivos do lima como ADM: antes do ban ao aimar ele tenciona vingar se movendo o diversas vezes de chanel em chanel. para mais alguma questao, ligue 913266965 alguem a de atender e o tuto o nosso melhor gk da season tambem foi vitima de desriçao desrespeitosas, peço que entendam a gravidade desta situaçao Completamente abalado apos isto: @limaestorgado, @ronaldoRBD e o @-Tuto! UM LIKE = FORA COM O AIMAR!
  3. 13 points
    Em minha defesa tenho a dizer que estes dois sujeitos são dos RBD, o que invalida qualquer protesto.
  4. 12 points
    Noticias 30/7- 'Os Audazes passam no teste de condição física' Ontem, assistimos aos primeiros jogos desta edição da Liga Aspirina. As equipas teoricamente em desvantagem, surpreenderam os críticos ao ganharem os seus jogos, com uma grande entrega e trabalho. Esta aparente surpresa é, aos poucos, dissolvida para os mais atentos. Vejamos mais em detalhe tudo o que aconteceu! Grupo A 3-1 Jogo bem disputado, onde os detalhes foram o que decidiram o jogo. Para justificar o resultado, fui conversar com o @TemplleGoku para que ele fizesse a sua análise. Como capitão dos AFK, também apresentarei a minha, numa explicação sincera do desaire africano. Moussa- Como avalias a vitoria sobre os AFK na Aspirina? Consideras justa? Templle- Na minha opinião, a vitória contra os AFK foi bem justa a meu a ver. Fomos superiores em todos os aspetos. Tivemos uma ótima defensiva, apesar de termos sofrido um golo que veio de uma situação de 3 v 1 acabando numa situação de 3v2. Tivemos uma ofensiva consideravelmente boa. Criámos boas oportunidades, trocamos inúmeras vezes a bola (coisa que não é muito comum, visto que não somos assim uma equipa forte) e também foi um pouco graças ao Nub, pois eu e ele já jogamos juntos já faz um ano e uns quantos meses (Não poderei incluir o iShow nisto, pois ele jogou a GK, mas eu e ele temos uma boa organização, defensivamente). Penso que a vitória tenha correspondido aos meus objetivos e a cima dos meus objetivos para a equipa. E o objetivo da equipa seria pelo menos o empate, uma vez que somos a equipa mais fraca do nosso grupo! Moussa- Quem pensas que poderá surpreender? Haverão alguns tomba gigantes? Templle- Penso que haverão muitas surpresas nesta Liga Aspirina. Os MB seriam talvez a equipa mais fraca da competição, isto no meu ponto de vista, porém eles fizeram umas boas aquisições e já venceram aos BLACKOUT por 1 golo de diferença, o que é muito bom! Esta vitória dos MB é um grande passo para avançarem na competição e foi uma vitória que nunca esperei. Eles serão uma das equipas que poderão tombar os gigantes. Tirando os MB, penso que não haja mais nenhuma equipa que possa ganhar aos gigantes... Vamos ver se eles nos surpreendem o resto das competição! Moussa- Quais sao os vossos objetivos para a competição? Templle- Eu tenho os meus objetivos e tenho objetivos para a equipa. Eu sou uma pessoa muito ambiciosa em todos os aspetos e não gosto de perder nem ao berlinde. Eu gosto de ser o melhor ou tentar ser o melhor. Posto estas palavras é claro que eu tenho uma ambição SUPER elevada para os THC. Eu queria muito que a equipa conseguisse passar da fase de grupos, mas vamos ser realistas. O nosso objetivo principal agora é conseguir empatar ou até mesmo ganhar a uma das maiores equipas do grupo. Seja os EA ou sejam os FSK e o nosso foco estará aí e estamos a trabalhar para conseguirmos ganhar uns pontos a uma destas equipas apesar de que é uma missão impossível! Moussa- Já que estás a organizar a Aspirina, qual será a chave para que tudo corra de modo pacifico e competitivo? Tens alguns conselhos a deixar? Templle- A chave para que tudo seja pacifico e competitivo está tudo nos jogadores. Para haver pacifismo é preciso que estes tenham fairplay e respeito pelos adversários. O mais importante é ter respeito pelo adversário e logo a seguir o fairplay. Se tivermos estas 2, temos tudo para a competição correr bem e penso que já somos todos crescidos nesta comunidade para que haja isso e tenho totais certezas que não haverão problemas durante esta edição da liga aspirina. Quanto a competividade... é algo difícil, pois depende tudo do empenho dos jogadores e das equipas. Se treinarem bastantes e trabalharem bastante vão jogar cada vez melhor e ao nível das melhores equipas da competição como os EA, SW ou até mesmo FSK. Basta treinar e ter motivação para isso, penso que é só isto o essencial. A minha análise do jogo: Moussa- "No meu ponto de vista, foi um resultado ingrato, mas aceitável até certo ponto. Fomos dominadores na maior parte do jogo, mas falhámos bastante na concretização, aliado a várias desatenções defensivas. Alem disso, o nosso grande inimigo foi a falta de ritmo de jogo,individual e como equipa. Somos uma equipa nova, com vários jogadores que voltaram à atividade , ainda procuramos a nossa identidade de jogo. Tenho a certeza que estamos longe do nosso potencial, mas aos poucos vamos alcançá-lo. Usaremos a Aspirina para treinar processos e retificar alguns detalhes. Claro que é sempre chato perder, mas sem drama...nada que comprometa a estabilidade da equipa, apenas nos ajudará a crescer e a tornar-nos mais fortes!" Grupo C 2-1 Uma grande surpresa na 1ª jornada do Grupo C! À primeira vista, pode parecer um "once in a lifetime result". Mas ao conversar com os capitães de ambas as equipas ( @Talisca@@@ e @TIAGO) , percebemos que nem tudo é tão óbvio como parece. Diversos factores contribuiram para esta situação, neste caso: A valentia e motivação de uma equipa contra uma equipa ainda a meio gás, muito longe do seu potencial. Sem mais demoras, veremos quais foram as reações perante este resultado improvável. Moussa- Como avalias a vossa surpreendente derrota contra os MB? TIAGO- Foi um péssimo resultado para uma equipa como os BLACKOUT, sem tirar mérito aos MB claro, mas nenhum de nós jogava haxball há meses, tirando o Duke que ainda joga na Feed Me. O Taipa voltou ontem hoje passado 1 ano fora do haxball. Foi um jogo de sentido único, falhámos imensos golos fáceis... Os MB tiveram a felicidade de marcar 2 golos de 2 erros do Juan Mata, enfim, bola para a frente! Moussa- Achas que a vossa inatividade recente foi um fator que contribuiu para um resultado negativo? TIAGO- Não podia concordar mais com esta pergunta, a inatividade contribuiu e vai continuar a contribuir até que todos estejam em forma novamente. Moussa- Apesar da derrota, pensas que os BO podem ir longe na competição? TIAGO- O nosso objectivo nesta Liga Aspirina é apenas treinar e ganhar ritmo, vamos jogando jogo a jogo, se chegarmos longe melhor ainda! Moussa- Por fim, quem são para ti os candidatos à vitoria do torneio? TIAGO- Penso que os EA vão ganhar a Liga Aspirina. Moussa- Certamente a vitoria frente aos BO foi uma excelente maneira de começar a Aspirina. O que achas que contribuiu para que ganhassem? Talisca- Trabalhamos imenso a química que foi mostrada nesse jogo, e é esse o segredo para qualquer vitória, trabalho. Moussa- Quais são os vossos objetivos em relação à competição? Talisca- Queremos ganhar todos os jogos, se não tivéssemos esse objetivo, não estariamos a fazer nada de jeito com o tempo que gastamos para realizar os oficiais. Moussa- Consideram-se uma equipa surpresa? Talisca- Para quem vê o nosso trabalho, a surpresa está nos resultados não terem aparecido mais cedo. Moussa- Quem achas que poderá ganhar a Aspirina? Talisca- Qualquer equipa que está na Aspirina pode ganhá-la, é 4 contra 4 e tudo pode acontecer. E é tudo por hoje! O que podemos retirar das notícias de hoje é que não devemos, nem podemos subestimar nenhuma equipa, pois todas querem vencer. Além disso, numa competição destas, qualquer erro paga-se caro! Nestas circunstâncias, a competitividade aumenta e é isso que o HBPT precisa. Foi um gosto apresentar isto hoje, até amanhã!
  5. 11 points
    Noticias 31/7- 'Maratona de jogos' Depois de um primeiro dia calmo, ontem foram realizados muitos jogos. Entre surpresas, temos várias equipas que começam a impor a sua posição na competição. Análises, reações e muito mais, já de seguida! Grupo A 1-3 Dentro das previsões, um resultado esperado tendo em conta as valências mostradas por cada equipa, até agora. Depois de um resultado positivo, os THC perdem mas ainda com chances de passar à próxima fase. 0-2 Que grande derby! Provavelmente, ninguém esperava que os EA pudessem perder desta maneira, depois de vencer todas as competições na época passada. No entanto, o resultado teve algumas condicionantes, como o @Berg me explicou em conversa com o Jornal: "Bem, após um excelente jogo contra os THC jogamos contra os FSK. O jogo era para ser a X horas e o jogo foi adiado porque os FSK não podiam. Entretanto e após essa informação, o nosso trinco Big7Up bazou. Passado um bocado, eles informaram que podiam jogar e nós fomos a jogo sem o trinco de raíz e com o Braga sem ritmo de jogo porque não tem modo gamer e só joga quando o Pringles abre server host. Posto isto jogamos com o Renato adaptado a trinco e notou-se que faltava alguma organização coletiva, porque mudou praticamente tudo relativamente ao jogo anterior. Creio que foi essa falta de organização e de união que levou à nossa derrota." Mesmo entrando com uma pomposa vitória na Aspirina, o @Kra, em tom descontraído, não considera os FSK favoritos: "temos 2 membros que mal jogavam haxball no passado (fr8nk e Fullcase) o que nos impossibilita de sermos "grande candidatos" ". Num caráter informativo, tentei descobrir se a entrada dos FSK na Aspirina marcaria o seu regresso a Portugal, mas o Kra rapidamente me desmentiu, dizendo: "Não, pois a nossa equipa "base" (andresantos-wassup-Kra-Element) não tem disponibilidade para jogar depois de Setembro." Além disso, pretendi saber a razão do seu abandono, o qual é explicado por "tempo reduzido. Todos os membros dos FSK trabalhavam ou estavam ocupados com estudos, sendo-lhes impossível guardarem algum tempo para jogarem os inúmeros oficiais que tínhamos. Por outro lado, o desinteresse pelo Haxball foi outro fator importante para que deixássemos de jogar." Grupo B 11-1 Vitória sem margem para dúvidas. Muita superioridade dos SW perante os RBD. Resultado esperado, mas nunca nestes contornos tão dilatados. Embora o resultado pesado, @limaestorgado não teve receio de dizer que "os SW são uma equipa de outro nível. Para uma equipa que retornou há 2 semanas, foi um jogo complicado. Felizmente, não mexeu com o nosso psicológico e procuramos ainda alcançar os nossos objetivos nesta competição." Ao manter uma atitude positiva, o limaestorgado ainda acrescentou que "os resultados irão aparecer, somos uma equipa que está em retorno e com paciência, trabalho e acima de tudo cabeça e inteligência na forma como abordamos o jogo, os resultados irão melhorar." Além disso, como destaque adicional, o lima contou-me um pouco sobre como tem sido os primeiros tempos dos RBD: "Bem, no inicio está a ser complicado, pois vários membros da comunidade não aceitam o nosso regresso e tentam rebaixar aquilo que somos, porém nem tudo é mau, temos também membros do nosso lado a quem agradecemos o apoio. O ambiente da equipa é fantástico, das melhores equipas que tive quanto ao ambiente, o que nos torna uma equipa bastante unida. Gostaria também de frisar que vamos causar problemas em todas as competições- conseguimos ver o nosso potencial num jogo contra os COP, embora tenhamos sido derrotados, fizemos um grande jogo, talvez o jogo que mais gostei de presenciar em toda a minha "carreira" no haxball." 1-4 Jogo com contornos de goleada, mostrando competência e trabalha da parte dos COP. Foi uma opinião partilhada pelo @-Tuto!, com o qual tive o prazer de conversar: "Acho que foi um resultado justo. Defendemos bem e fomos exímios no ataque com 4 golos marcados na primeira parte e, além disso, conseguimos manter o desempenho elevado ao longo do jogo, o que foi importante para a nossa vitória, pois mesmo que estejamos a ganhar seja por 1 ou por 10, temos sempre que manter o foco e pensar que o resultado está sempre 0-0." Pra lá do jogo, pedi que comentasse o facto de ter sido premiado como melhor GK da época passada, que responsabilidade isso traz, bem como a sua opinião sobre o seu próprio desenvolvimento e, claro, o que o ajudou a chegar lá. Tuto- "Quer seja o melhor gk, ou o segundo ou o terceiro melhor ou por aí em diante, irei sempre jogar à minha maneira, sempre com a mesma responsabilidade de sempre e o resto virá por acréscimo. É importante ser consistente a nível de atividade neste jogo e é isso que me está a fazer progredir. Penso que voltei em Agosto do ano passado, se não me engano e desde aí tenho-me mantido ativo, ou seja, dessa forma uma pessoa evolui mais rapidamente. Não esperava chegar ao nível que cheguei, de todo. Os COP ajudaram-me muito na minha evolução, porque desde o dia em que ingressei na equipa, têm sido excelentes para mim e continuam a ajudar-me dia após dia. Não esqueço também os TP, que foram a minha primeira equipa desde que voltei ao ativo há quase 1 ano atrás e que foram um grande ponto de partida para o início da minha evolução." Grupo C 4-3 4-1 Num conjunto de 2 jornadas, 1 delas antecipadas, o destaque é dado aos MB, que cada vez mais se tornam favoritos para ganhar o grupo e avançar para a próxima fase. Por outro lado, temos os BO que continuam "perros" (como o TIAGO mencionou ontem), mas que reúnem chances de passar à próxima fase, apenas se tornou mais complicado. No meio, temos os ACRUTZ- começaram muito bem mas descambaram no segundo jogo. Procurei o @Ranger de modo a perceber o que se passou. Ele apontou-me logo um contraste, dizendo: "Foram 2 jogos muito diferentes: Frente aos BO, tivemos uma 1ª parte muito boa, onde fizemos 3 golos. Gostei muito da forma que os AC jogaram! (Relembro que maior parte do pessoal voltou ao Haxball há pouco tempo, portanto não estão nas melhores condições, no entanto conseguiram mostrar qualidade na mesma. Estou orgulhoso da equipa! ) Agora frente aos MB, o nosso problema foi a falta de confiança. Assim que levámos o 2-0, desanimámos e começámos a jogar pior, mas na 2ª parte, fiz umas alterações e até correu bem, dominámos a parte toda, só faltou mesmo o golo mas tenho que dar mérito aos MB... estão muito fortes! É bom ver a evolução daquela equipa!" Apesar da inconsistência, o Ranger mantêm confiança na passagem à próxima fase-"Estamos a fazer por isso, hoje depois dos jogos, ficámos cerca de 1 hora a treinar, é algo que vamos fazer todos os dias a partir de agora. Estou confiante que conseguiremos o apuramento!" Como balanço, ele comentou: "Alguns da equipa são jogadores que nunca jogaram juntos, e é bom ver o ambiente que há na equipa,ajuda muito a evoluir. Já fizemos uns amigáveis e temo-nos safado bem, acho que mais umas semanas e estamos de volta à forma! E este regresso do Izma veio mesmo a calhar , estavámos a precisar de um bom gk e especialmente um jogador que já nos conhece tão bem!" Em termos da primeira jornada, só falta ser disputado o [AFK VS FSK] do Grupo A e os [RBD vs BP e COP vs SW] do Grupo B. Notícias futuras serão elaboradas, dependendo da disputa dos jogos. Mesmo assim, a segunda jornada começa já Domingo! Até às próximas notícias, Cumprimentos!
  6. 10 points
    ZonaHaxClub - UM LEGADO ETERNO Toda a comunidade reconhece os ZHC como uma das equipas mais histórias, marcantes e sobretudo perduráveis do Haxball em Portugal. Efetivamente, a história não engana - os ZHC, fundados em 2011 por um grupo de 8 colegas de onde se destacam personalidades como Edgar, Ronas, Messi_Açores ou Matt, foram a equipa mais antiga do HBPT, contabilizando cerca de 4 anos e 9 meses de existência. Não restam dúvidas, esta equipa para além dos títulos conquistados transmitiram-nos valores imprescindíveis na nossa comunidade, tais como o espírito de equipa, a perseverança e o companheirismo. Por outro lado, os Zona Hax Club foram reconhecidos também por terem revelado novas ideias, táticas e formas de encarar o jogo no país. Este facto espelha-se não só pela qualidade e quantidade dos jogadores que se formaram na equipa, como também pelo modo como se mostraram à medida que iam aparecendo novos formatos, como 3vs3 e posteriormente o 4vs4. Assim, a redacção do Jornal HBPT decidiu investigar um pouco mais sobre os ZHC e para isso contamos com a colaboração do principal fundador - @Edgar ZHC - e de algumas palavras de jogadores que passaram pela equipa mais antiga do HBPT. Entrevistador - Olá Edgar. O que diferenciava os ZHC das restantes equipas? Edgar - Boa tarde Neve. Primeiramente agradecer o convite para falar um pouco desta equipa histórica que foi um projeto desde 2011 a inícios de 2016. É impossível contar a história do Haxball português sem se falar nos Zona Hax Club. Como já se sabe, os ZHC foram a equipa mais antiga de Portugal e talvez tenha sido esse o grande factor que diferenciava das restantes equipas. Os jogadores e as equipas portuguesas nutriam um respeito por nós, assim como pelos nossos valores e fair play. Poderia dizer que a certa altura éramos um exemplo fora do campo. “Mais que uma equipa… uma paixão” - era este o nosso lema, e era através dele que contávamos aos nossos jogadores (que entravam e saíam do grupo) a história da equipa. Aliás, era um pouco dessa história que me movia a mim e ao Ronas (que fomos os últimos fundadores ativos da equipa) a continuar com o projecto, ambicionando sempre um pouco mais, de modo a fazer ainda mais história. No entanto, não foram sempre 4 anos e 9 meses perfeitos, houve alturas negras onde vários jogadores saíam no final da época, e os capitães dos ZHC eram obrigados a se superarem. Felizmente, sempre foi possível, formando planteis competitivos, ambiciosos, e preparados para os objetivos propostos por esta equipa histórica. E essa capacidade de superação ao longo dos anos, foi mais um dos fatores que nos diferenciava de outras equipas. Entrevistador - Todos reconheciam os ZHC como uma equipa com um ambiente único e ímpar no HBPT. Como conseguiram criar aquela atmosfera em torno do clube? Edgar - Antes de responder a essa questão, vou me alongar um bocado. Apesar de ser um jogo virtual, posso dizer que tenho memórias para a vida. Era um miúdo quando comecei a jogar Haxball (apenas 11/12 anos de idade) e posso dizer que foi com os ZHC que cresci bastante como pessoa. Apesar de ser um dos fundadores, nem sempre fui o líder. Talvez, só a meados do 2º ano de equipa é que me senti preparado para liderar este projeto. Fui aprendendo bastante com os meus colegas fundadores que ainda tinham uma diferença de idade para comigo. Assim, tive todas as condições necessárias para ganhar um pouco de autoridade e acima de tudo de maturidade.Os ZHC proporcionaram-me tudo o que precisava para criar momentos inesquecíveis… tenho recordações neste jogo que não me esqueço.E muito disso, deve-se a esse ambiente único e ímpar que referiste. Nesta casa, com esta família, não podia ser de outra maneira. Não era qualquer jogador que era ZHC, podia ter qualidade (que é sempre um fator decisivo), mas isso não era o mais importante. Para nós, o mais importante sempre foi o dito ‘balneário’. Não eram só oficiais e Haxball, eram também as noitadas, as risadas e a convivência aberta com qualquer jogador de outra equipa e até com outras equipas. O nosso canal no TS (fora em jogos oficiais) era um espaço aberto a qualquer pessoa, e como é óbvio, tinham que ser bem acolhidos por nós. Para te sentires bem, tens de fazer os outros sentirem-se bem, sendo um líder ou um jogador.Nunca nos podemos esquecer que apesar da competitividade e ambição que temos neste jogo, que é bastante importante e os ZHC também a tiveram (em alguns momentos em demasia), o Haxball não passará disso mesmo… um jogo, um passatempo onde o objetivo principal é a diversão! E se o jogares com as pessoas que mais gostas de conviver, então não haverá motivo para não te divertires. Entrevistador - Guardas mais os títulos e os sucessos desportivos alcançados ou as pessoas que foste conhecendo e que passaram pelos ZHC? E porquê? Edgar - No fim guarda-se sempre um bocadinho de tudo. Talvez destaque mais, e isto numa parte mais pessoal, as pessoas que foi conhecendo durante estes anos.Mas obviamente, que inevitavelmente, guardo as épocas em que tínhamos grandes ambições, com planteis competitivos e lutávamos pelos títulos. Assim como guardo épocas menos satisfatórias onde valorizo o esforço de todos os jogadores para que fosse possível dar a volta por cima, uma vez que nem os maus resultados mexiam com o nosso bom ambiente porque estava rodeado de pessoas fantásticas.Mas também no mesmo papel, não consigo falar dos ZHC sem poder falar de algumas das nossas prestações na Superliga, as finais da taça de Portugal, as conquistas da Liga de Honra, assim como a ida a Champions League 3x3. Também como líder, não me posso esquecer do pessoal que conheci, que convivi e que acima de tudo partilhei a liderança durante anos. O Ronas e o Master à primeira vista as pessoas mais importantes para que o nosso sucesso fosse possível.No Haxball, a par da história, são os jogadores que fazem as equipas, e são esses mesmos jogadores que fazem com que o Haxball seja um passatempo viciante e produtivo. Entrevistador - Existe alguma possibilidade de um dia voltares com esta formação histórica no panorama nacional? Edgar - Como se costuma dizer “nunca digas nunca”, mas é muito improvável os ZHC voltarem. Neste momento na minha vida, há muita coisa à frente do Haxball e para ser sincero, será sempre assim. Deixei o Haxball mal terminei com os ZHC, já raramente ligava à equipa e estava a ser mais um problema que uma solução. Foram anos brilhantes, aproveitei ao máximo o jogo e estarei agradecido à comunidade portuguesa e a todos vocês por terem feito parte da minha adolescência no que toca o mundo virtual. Agora os tempos são diferentes, atualmente vou para o último ano de faculdade e não reúno as condições necessárias para estar à frente de um projeto com o nome e reputação dos ZHC.Infelizmente perdi o contacto também com o meu parceiro de liderança desde inicio (Ronas), que de certeza que também pôs um fim à sua carreira ‘haxbolística’.O que poderá acontecer, é haver projetos, ou seja, novos projetos independentes dos ZHC, mas dando uma certa imagem de OldSchool dos Zona, como o projeto "From Zona" (FZ) do Pires (um dos fundadores dos ZHC) que conta com jogadores que são da família ZHC como o Bale, Cyndaquil, Ned, Pavão e ainda pessoas, que apesar de nunca terem representado os ZHC, sempre tiveram uma boa ligação com a casa.Os ZHC tiveram o seu tempo, onde marcaram a diferença, contribuíram para a comunidade e tenho a certeza que se despediram pela porta grande e serão sempre relembrados. Entrevistador - Que palavras gostas de deixar para o HBPT? Nomeadamente o que pensas que poderiam melhorar em termos de comunidade para atrair não apenas as velhas guardas, mas sobretudo as novas gerações. Edgar - Acima de qualquer tipo de competição que estejam inseridos, não se esqueçam de se divertirem. O Haxball é um excelente passatempo, mas nunca poderá passar disso!Continuem a dignificar o Haxball português e sejam sempre uma solução e não um problema!Já há bastante tempo que não estou a par da comunidade e do jogo em si, portanto não poderei apontar quaisquer aspetos negativos ou positivos, inclusive não estou a par das iniciativas que realizam agora, portanto posso sugerir algo que já é feito. No entanto, a inovação é o segredo, e as iniciativas como estas são importantes, não só pelo facto de as velhas guardas relembrarem os seus tempos, mas também as novas gerações vão conhecendo um pouco do que já foi o Haxball português. Para uma atração de velhas guardas talvez poderíamos começar por juntar membros de antigas equipas de forma a recuperarmos as restantes. Assim como optar por uma flexibilidade maior na organização da liga de modo a todos participarem.Quanto às novas gerações, sempre fui uma pessoa que gostava de estar atento aos novos jogadores, também isso justifica o facto de ter os ZHC U21 por duas vezes. Uma academia onde os jogadores conheciam e entravam em contacto com o HBPT e evoluíam como jogadores. Não sei se as condições neste momento são as ideais para criar academias ou equipas B's, mas cabe também um pouco aos veteranos puxarem pelas novas gerações e mostrarem um pouco do que é o espírito da comunidade portuguesa. São demasiados anos e momentos com esta comunidade. E acho que estamos todos de acordo que as boas recordações que temos no HBPT, as novas gerações também têm o direito de um dia ter.Continuem com o trabalho e não desistam disto... é uma história muito bonita para se acabar por aqui! Como é que os antigos membros caracterizam globalmente os ZHC? @jonnzhc - "Eu sou um dos fundadores da 'velha senhora' Zona Hax Club, e digo orgulhosamente que fomos a primeira equipa oficial portuguesa e a primeira equipa campeã nacional (os pioneiros, dizem). Como o próprio lema do clube diz 'Mais que uma equipa, uma paixão'. Não havia um único jogador que não quisesse ser ZHC, uma vez que que sempre fomos gente do povo. Globalmente, ZHC é um dos maiores clubes de sempre na história nacional do HBPT. Nada me pode deixar mais orgulhoso... a mim e aos outros 7 amigos que comigo criaram a 'velha senhora'. Um abraço, ZHC sempre!" @Cyndaquil - "Era uma equipa histórica... muito antes de ser ZHC, pessoalmente já adorava os ZHC como equipa, especialmente nos HAI, visto que ambas as equipas tinham uma grande amizade e convivíamos imenso entre nós. Mas falando de quando lá estive, senti sempre em todos os jogos o peso daquela "camisola". Contudo, o engraçado é que não era só eu que pensava isso, todos os meus colegas de equipa tinham noção da equipa que estavam a representar, isto é, a equipa mais antiga do HBPT. O nosso convívio era bom, já nos conhecíamos todos à imenso tempo, tínhamos aquela fome de querer vencer todos os jogos, e fora de haxball eram sempre noitadas até as tantas a conversar/jogar outras cenas em conjunto. Mas se há alguém que teve uma importância tremenda para os ZHC e para a sua longevidade, essa pessoa é o Edgar. Um líder 5 estrelas, um líder que esteve sempre presente nos bons e maus momentos, alguém que nunca abandonou o barco e que ficou até ao fim. É com saudade que recordo os meus tempos nos ZHC, mas também orgulho, especialmente pela ultima época. Quase toda a gente saiu a meio da época e fiquei sem jogadores para acabar os jogos que faltavam, fui buscar pessoas que já nem jogavam para fazer os oficiais, nunca me passou pela cabeça enquanto o ultimo capitão dos ZHC deixar que uma equipa com a história da Zona terminasse a sua ultima época com desqualificação por FC. Posto isto, muito orgulho em ter capitaneado e representado a Zona Hax Club." @Zlatan - "Desde já gostaria de agradecer a oportunidade de me expressar perante o Jornal HBPT. Ora, sendo eu um dos membros mais antigos na comunidade, posso afirmar que acompanhei grande parte do trajeto dos ZHC. Globalmente, os ZHC eram a equipa (juntamente com os RHC) mais antiga de Portugal, era uma das equipas com o melhor convívio e com um dos melhores, senão o melhor capitão que já passou por aqui - o EDGAR. Era uma equipa acolhedora, sempre com grandes objetivos, grandes jogadores in-game e out-game. Eu fui um membro dos ZHC já numa fase de decadência, seja do haxball como da própria equipa, no entanto sempre demonstrou até ao ultimo suspiro ser das melhores equipas que Portugal já viu fora e dentro de campo. Em suma, os Zona Hax Club eram humildes, vencedores, empenhados, divertidos, uma equipa com uma maturidade a cima da média e deveriam ser o exemplo para as futuras e as novas equipas que por aqui andam. Para finalizar, salud a ZHC!"
  7. 10 points
  8. 9 points
    Um olhar sobre o mercado 👁️‍🗨️ Numa época de mudanças, muitos são os jogadores que procuram definir a sua carreira haxbolítica, existindo algumas equipas dispostas a receber um ou outro reforço para completar o seu plantel. Neste artigo, procuramos dar voz a figuras que anseiam por uma oportunidade de mostrarem o que valem e, por outro lado, revelar o lado das equipas que ainda podem estar a ultimar os seus conjuntos. Comecemos então pelo lado dos jogadores. Muitos dos que agora procuram um abrigo são pessoas que já conhecem o jogo como a palma das suas mãos. Para além de possuírem anos de experiência no Haxball, também estão por dentro de tudo o que envolve o HBPT. Portanto, podemos inferir que todos eles acabam por se conseguir encaixar em qualquer projeto, desempenhando o sua posição de uma forma competente e com qualidade. De seguida apresentamos os nomes que andam à procura de equipa na comunidade, deixando alguns traços de cada um. Big 3v3 & 4v4 @ZeroRullz Posição Preferencial: A minha verdadeira posição é GK, mas quando iniciei ocupava posições mais avançadas (DM e AM). Antigas Equipas: ZHC u21, E!, J4O, BO, ZHC, PRO, EA. Características Individuais: Visão de jogo; Spam; Segurança entre os postes; Um dos meus maiores defeitos foi a antecipação, mas com o tempo começou a ser cada vez menos um problema, porque com os erros um jogador aprende e começa a ser mais fácil ler todas as componentes do jogo; O que pode acrescentar: Tenho 5 anos de Haxball e sempre fui um jogador mediano com o intuito de chegar à seleção. Contudo, ao longo do tempo, a vontade de jogar foi indo em vão e não consegui chegar a esse objetivo. Agora voltei com o objetivo de jogar pela diversão, mas ao mesmo tempo voltar a ganhar a vontade com aquele cheirinho competitivo na comunidade. Acho que posso acrescentar qualidade. @Bluzzer Posição Preferencial: A minha posição preferencial é AM, embora também possa jogar a ST. Antigas Equipas: LT, TT ac, TP e SPURS. Características Individuais: Julgo que me posiciono bem na defesa, sendo um jogador seguro e que não inventa muito no aspecto mais ofensivo; Não tendo se calhar a skill necessária para me tornar preponderante ao nível individual, sou um jogador que facilmente se adapta à equipa e joga bem coletivamente; Aposto mais na inteligência do que na qualidade, embora, como é óbvio, pretenda melhorar neste último aspeto; O que pode acrescentar: Posso aqui assegurar que levarei um bom ambiente para a equipa onde me irei inserir. O meu espírito de convívio aliado à minha boa disposição, lealdade e humildade vai trazer um excelente convívio. Estou no Haxball, ou nesta comunidade, para me divertir acima de tudo. Por fim, no que diz respeito ao meu empenho/evolução, confesso que eu não gosto de perder, nem de ficar para trás. Adoro um bom jogo de Haxball, em que no fim possamos dizer que saímos gratos por o ter jogado. Pessoalmente, quero evoluir e podem ficar descansados que nesse aspecto vão ter alguém na vossa equipa que dia após dia vive para se superar. Superar a nível pessoal e conquistar a nível colectivo. Confiem em mim, porque eu posso certamente ser uma excelente surpresa, pela positiva! @windo Posição Preferencial: Posso ocupar todas as posições que me pedirem com alguma consistência, mas sinto-me mais confiante a AM e a ST. Antigas Equipas: TBT, k1nG aC, CABJ, ETA HC, BTL, AC, LON, ShL, IF e COP B. Características Individuais: Considero-me um jogador que trabalha o jogo em equipa, ou seja, não penso muito em individualidades, mas sim no conjunto; Em relação aos spam's não é muito o meu ponto forte, mas quando me concentro até consigo ganhar alguns; Dentro das quatro linhas tento concentrar-me bastante para não cometer erros fatais; O que pode acrescentar: Neste momento estou como um jogador livre, mas gostaria muito de fazer parte de uma equipa (atualmente parece ser impossível). Por fim, refiro que posso não parecer um excelente jogador, mas penso que ainda terei algo para mostrar! @fun. Posição Preferencial: Unicamente AM. Antigas Equipas: THC, BTL e uK. Características Individuais: Bom defensivamente; Um finalizador; Tenho noção de jogo; O que pode acrescentar: Considero-me um jogador que ainda precisa de algum desenvolvimento a nível técnico. Costumo socializar bem com os colegas de equipa, sendo conhecido por "Éder branco"! Real Soccer & Futsal @Haderslev Posição Preferencial: AM/ST, sendo que também posso ser uma solução válida para as restantes posições. Antigas Equipas: El Tigres (ET). Características Individuais: Bom sentido posicional; Compreensão do jogo (acima da média); Polivalência (tenho capacidades para desempenhar as quatro posições sem que se note uma grande diferença ao nível de performance). O que pode acrescentar: Posso adicionar experiência (jogo o mapa - apesar de algumas interrupções - há cerca de 4 anos), profundidade e qualidade a uma equipa. Isto é: se estivermos a falar de uma equipa de maior gabarito, sou um bom back up para qualquer posição; por outro lado, se estivermos a falar de equipas de menor qualidade, sou um jogador que poderá ser importante e trazer competitividade ao quatro inicial. Para além disso, acrescento seriedade, respeito e o meu característico bom humor às equipas! @rαρнαel Posição Preferencial: GK (tanto em RS como em Futsal), mas também posso dar uma mãozinha na frente. Antigas Equipas: Os Míticos (oM), El Tigres (ET) e Black Hawks Team (BHT). Características Individuais: Divertido - não gosto de criar mau ambiente nem discussões; Sou responsável e tento dar o máximo pela equipa que represento; Acima de tudo, esforço-me para progredir tanto a nível individual como coletivo; O que pode acrescentar: Companheirismo, tanto dentro como fora de campo. Acho que posso acrescentar um ambiente pacato e amigável. @Maradona - "Sendo sincero, voltar a jogar nas competições do HBPT é algo incerto. Torna-se complicado retomar as rotinas que os jogos oficiais exigem devido ao trabalho que encargo atualmente. Apesar de agora, nas férias, ter vindo cá matar saudades, devo dizer que não terei muito tempo para jogar. Contudo, confesso que despertou novamente o bichinho... quem sabe se talvez volte realmente ao jogo. Tudo depende do tempo e de alguns dos jogadores com quem mais me identifico me convidarem para uma das suas equipas." @Layzan - "Em primeiro lugar gostava de contextualizar o meu trajeto no HBPT e a situação em que me encontro. No início, o meunickname era Zart, numa fase em que ainda era um pouco imaturo. Certamente que algumas pessoas devem-se lembrar deste nome. No entanto, quando ingressei nos TT (em 2016/2017) mude meu nick para Layzan. O que me levaria a voltar ao Haxball seria mesmo se os TikiTaka voltassem a 100% focados no jogo e com todos os jogadores motivados para ganhar, porque desde que os TT foram criados, o núcleo duro de 7/8 membros manteve-se até ao fim. Devo dizer que ganhei muitas rotinas nos TT e que agora só me revia a regressar naquele projeto... éramos uma equipa diferente, com processos simples, passes rápidos e métodos firmes. Por isso digo que habituar-me a outro estilo de jogo mais à base de jogadas elaboradas ou até de estilos ultra defensivos seria complicado. Concluindo, voltar será sempre uma incógnita e depende de diversos fatores". @Mankey - "Penso que voltar às competições HBPT será sempre uma opção no papel. Porém, à medida que o tempo passou, fui adquirindo mais responsabilidades que tornam difícil realizar o compromisso de aparecer a treinos e jogos de uma forma regular... já para não falar que o nível de habilidade foi decrescendo. Apesar disso, o Haxball sempre foi um jogo que me cativou bastante devido à sua simplicidade e diversão que proporciona. Estou certo que jogar competitivamente seria mais complicado agora, mas não é de todo uma porta fechada." Dando agora especial atenção às equipas do HBPT, a redação do Jornal decidiu aprofundar a estabilidade das formações, indo ao fundo da questão, isto é, 'Será que os planteis estão fechados?'. Após algumas investigações, averiguámos que muitas das equipas têm os seus conjuntos definidos e... não é de estranhar! Com o decorrer da liga Aspirina, as equipas encontram-se mais preocupadas em manter o seu plantel coeso e focado numa competição tão especial como esta é, do que com eventuais reforços. Todavia, conseguimos apurar que as equipas recém-formadas são as que ainda admitem receber uma ou outra cara nova de modo a preencher por completo as suas formações. Já as equipas com mais história apenas considerariam aceitar algum membro caso se tratasse de um nome consolidado no panorama do HBPT, ou seja, uma figura que tenha deixado a sua marca, bom tecnicamente e que se adapte perfeitamente ao modo de jogar das equipas em questão - obviamente que falamos de casos raros e específicos. De referir que, no final da Aspirina, é de crer que possam surgir novidades com a eventual chegada de novas equipas e algumas transações, não só nos jogadores que hoje se encontram livres, como também para aqueles que já possuam uma formação, mas que pretendam mudar para outro projeto devido a diversos fatores (maus resultados, mau ambiente, monotonia extrema, necessidade de um novo estímulo, entre outros). Com isto, o Jornal HBPT acredita que: no futuro irá existir uma conjugação de fatores que fará com que os jogadores livres ocupem o seu devido espaço numa equipa, que existiam alguns regressos e que existam novidades ao nível dos planteis. Aliás, o HBPT sempre apresentou um mercado dinâmico que faz com que todos tenham de estar atentos a possíveis mexidas nos planteis. Trata-se de um processo saudável e que lança constantemente um desafio estimulante aos membros da comunidade!
  9. 9 points
    No dia que o ronaldo fizer um post de jeito eu demito-me da moderação
  10. 9 points
    ZonaHaxClub - UM LEGADO ETERNO Toda a comunidade reconhece os ZHC como uma das equipas mais histórias, marcantes e sobretudo perduráveis do Haxball em Portugal. Efetivamente, a história não engana - os ZHC, fundados em 2011 por um grupo de 8 colegas de onde se destacam personalidades como Edgar, Ronas, Messi_Açores ou Matt, foram a equipa mais antiga do HBPT, contabilizando cerca de 4 anos e 9 meses de existência. Não restam dúvidas, esta equipa para além dos títulos conquistados transmitiram-nos valores imprescindíveis na nossa comunidade, tais como o espírito de equipa, a perseverança e o companheirismo. Por outro lado, os Zona Hax Club foram reconhecidos também por terem revelado novas ideias, táticas e formas de encarar o jogo no país. Este facto espelha-se não só pela qualidade e quantidade dos jogadores que se formaram na equipa, como também pelo modo como se mostraram à medida que iam aparecendo novos formatos, como 3vs3 e posteriormente o 4vs4. Assim, a redacção do Jornal HBPT decidiu investigar um pouco mais sobre os ZHC e para isso contamos com a colaboração do principal fundador - @Edgar ZHC - e de algumas palavras de jogadores que passaram pela equipa mais antiga do HBPT. Entrevistador - Olá Edgar. O que diferenciava os ZHC das restantes equipas? Edgar - Boa tarde Neve. Primeiramente agradecer o convite para falar um pouco desta equipa histórica que foi um projeto desde 2011 a inícios de 2016. É impossível contar a história do Haxball português sem se falar nos Zona Hax Club. Como já se sabe, os ZHC foram a equipa mais antiga de Portugal e talvez tenha sido esse o grande factor que diferenciava das restantes equipas. Os jogadores e as equipas portuguesas nutriam um respeito por nós, assim como pelos nossos valores e fair play. Poderia dizer que a certa altura éramos um exemplo fora do campo. “Mais que uma equipa… uma paixão” - era este o nosso lema, e era através dele que contávamos aos nossos jogadores (que entravam e saíam do grupo) a história da equipa. Aliás, era um pouco dessa história que me movia a mim e ao Ronas (que fomos os últimos fundadores ativos da equipa) a continuar com o projecto, ambicionando sempre um pouco mais, de modo a fazer ainda mais história. No entanto, não foram sempre 4 anos e 9 meses perfeitos, houve alturas negras onde vários jogadores saíam no final da época, e os capitães dos ZHC eram obrigados a se superarem. Felizmente, sempre foi possível, formando planteis competitivos, ambiciosos, e preparados para os objetivos propostos por esta equipa histórica. E essa capacidade de superação ao longo dos anos, foi mais um dos fatores que nos diferenciava de outras equipas. Entrevistador - Todos reconheciam os ZHC como uma equipa com um ambiente único e ímpar no HBPT. Como conseguiram criar aquela atmosfera em torno do clube? Edgar - Antes de responder a essa questão, vou me alongar um bocado. Apesar de ser um jogo virtual, posso dizer que tenho memórias para a vida. Era um miúdo quando comecei a jogar Haxball (apenas 11/12 anos de idade) e posso dizer que foi com os ZHC que cresci bastante como pessoa. Apesar de ser um dos fundadores, nem sempre fui o líder. Talvez, só a meados do 2º ano de equipa é que me senti preparado para liderar este projeto. Fui aprendendo bastante com os meus colegas fundadores que ainda tinham uma diferença de idade para comigo. Assim, tive todas as condições necessárias para ganhar um pouco de autoridade e acima de tudo de maturidade.Os ZHC proporcionaram-me tudo o que precisava para criar momentos inesquecíveis… tenho recordações neste jogo que não me esqueço.E muito disso, deve-se a esse ambiente único e ímpar que referiste. Nesta casa, com esta família, não podia ser de outra maneira. Não era qualquer jogador que era ZHC, podia ter qualidade (que é sempre um fator decisivo), mas isso não era o mais importante. Para nós, o mais importante sempre foi o dito ‘balneário’. Não eram só oficiais e Haxball, eram também as noitadas, as risadas e a convivência aberta com qualquer jogador de outra equipa e até com outras equipas. O nosso canal no TS (fora em jogos oficiais) era um espaço aberto a qualquer pessoa, e como é óbvio, tinham que ser bem acolhidos por nós. Para te sentires bem, tens de fazer os outros sentirem-se bem, sendo um líder ou um jogador.Nunca nos podemos esquecer que apesar da competitividade e ambição que temos neste jogo, que é bastante importante e os ZHC também a tiveram (em alguns momentos em demasia), o Haxball não passará disso mesmo… um jogo, um passatempo onde o objetivo principal é a diversão! E se o jogares com as pessoas que mais gostas de conviver, então não haverá motivo para não te divertires. Entrevistador - Guardas mais os títulos e os sucessos desportivos alcançados ou as pessoas que foste conhecendo e que passaram pelos ZHC? E porquê? Edgar - No fim guarda-se sempre um bocadinho de tudo. Talvez destaque mais, e isto numa parte mais pessoal, as pessoas que foi conhecendo durante estes anos.Mas obviamente, que inevitavelmente, guardo as épocas em que tínhamos grandes ambições, com planteis competitivos e lutávamos pelos títulos. Assim como guardo épocas menos satisfatórias onde valorizo o esforço de todos os jogadores para que fosse possível dar a volta por cima, uma vez que nem os maus resultados mexiam com o nosso bom ambiente porque estava rodeado de pessoas fantásticas.Mas também no mesmo papel, não consigo falar dos ZHC sem poder falar de algumas das nossas prestações na Superliga, as finais da taça de Portugal, as conquistas da Liga de Honra, assim como a ida a Champions League 3x3. Também como líder, não me posso esquecer do pessoal que conheci, que convivi e que acima de tudo partilhei a liderança durante anos. O Ronas e o Master à primeira vista as pessoas mais importantes para que o nosso sucesso fosse possível.No Haxball, a par da história, são os jogadores que fazem as equipas, e são esses mesmos jogadores que fazem com que o Haxball seja um passatempo viciante e produtivo. Entrevistador - Existe alguma possibilidade de um dia voltares com esta formação histórica no panorama nacional? Edgar - Como se costuma dizer “nunca digas nunca”, mas é muito improvável os ZHC voltarem. Neste momento na minha vida, há muita coisa à frente do Haxball e para ser sincero, será sempre assim. Deixei o Haxball mal terminei com os ZHC, já raramente ligava à equipa e estava a ser mais um problema que uma solução. Foram anos brilhantes, aproveitei ao máximo o jogo e estarei agradecido à comunidade portuguesa e a todos vocês por terem feito parte da minha adolescência no que toca o mundo virtual. Agora os tempos são diferentes, atualmente vou para o último ano de faculdade e não reúno as condições necessárias para estar à frente de um projeto com o nome e reputação dos ZHC.Infelizmente perdi o contacto também com o meu parceiro de liderança desde inicio (Ronas), que de certeza que também pôs um fim à sua carreira ‘haxbolística’.O que poderá acontecer, é haver projetos, ou seja, novos projetos independentes dos ZHC, mas dando uma certa imagem de OldSchool dos Zona, como o projeto "From Zona" (FZ) do Pires (um dos fundadores dos ZHC) que conta com jogadores que são da família ZHC como o Bale, Cyndaquil, Ned, Pavão e ainda pessoas, que apesar de nunca terem representado os ZHC, sempre tiveram uma boa ligação com a casa.Os ZHC tiveram o seu tempo, onde marcaram a diferença, contribuíram para a comunidade e tenho a certeza que se despediram pela porta grande e serão sempre relembrados. Entrevistador - Que palavras gostas de deixar para o HBPT? Nomeadamente o que pensas que poderiam melhorar em termos de comunidade para atrair não apenas as velhas guardas, mas sobretudo as novas gerações. Edgar - Acima de qualquer tipo de competição que estejam inseridos, não se esqueçam de se divertirem. O Haxball é um excelente passatempo, mas nunca poderá passar disso!Continuem a dignificar o Haxball português e sejam sempre uma solução e não um problema!Já há bastante tempo que não estou a par da comunidade e do jogo em si, portanto não poderei apontar quaisquer aspetos negativos ou positivos, inclusive não estou a par das iniciativas que realizam agora, portanto posso sugerir algo que já é feito. No entanto, a inovação é o segredo, e as iniciativas como estas são importantes, não só pelo facto de as velhas guardas relembrarem os seus tempos, mas também as novas gerações vão conhecendo um pouco do que já foi o Haxball português. Para uma atração de velhas guardas talvez poderíamos começar por juntar membros de antigas equipas de forma a recuperarmos as restantes. Assim como optar por uma flexibilidade maior na organização da liga de modo a todos participarem.Quanto às novas gerações, sempre fui uma pessoa que gostava de estar atento aos novos jogadores, também isso justifica o facto de ter os ZHC U21 por duas vezes. Uma academia onde os jogadores conheciam e entravam em contacto com o HBPT e evoluíam como jogadores. Não sei se as condições neste momento são as ideais para criar academias ou equipas B's, mas cabe também um pouco aos veteranos puxarem pelas novas gerações e mostrarem um pouco do que é o espírito da comunidade portuguesa. São demasiados anos e momentos com esta comunidade. E acho que estamos todos de acordo que as boas recordações que temos no HBPT, as novas gerações também têm o direito de um dia ter.Continuem com o trabalho e não desistam disto... é uma história muito bonita para se acabar por aqui! Como é que os antigos membros caracterizam globalmente os ZHC? @jonnzhc - "Eu sou um dos fundadores da 'velha senhora' Zona Hax Club, e digo orgulhosamente que fomos a primeira equipa oficial portuguesa e a primeira equipa campeã nacional (os pioneiros, dizem). Como o próprio lema do clube diz 'Mais que uma equipa, uma paixão'. Não havia um único jogador que não quisesse ser ZHC, uma vez que que sempre fomos gente do povo. Globalmente, ZHC é um dos maiores clubes de sempre na história nacional do HBPT. Nada me pode deixar mais orgulhoso... a mim e aos outros 7 amigos que comigo criaram a 'velha senhora'. Um abraço, ZHC sempre!" @Cyndaquil - "Era uma equipa histórica... muito antes de ser ZHC, pessoalmente já adorava os ZHC como equipa, especialmente nos HAI, visto que ambas as equipas tinham uma grande amizade e convivíamos imenso entre nós. Mas falando de quando lá estive, senti sempre em todos os jogos o peso daquela "camisola". Contudo, o engraçado é que não era só eu que pensava isso, todos os meus colegas de equipa tinham noção da equipa que estavam a representar, isto é, a equipa mais antiga do HBPT. O nosso convívio era bom, já nos conhecíamos todos à imenso tempo, tínhamos aquela fome de querer vencer todos os jogos, e fora de haxball eram sempre noitadas até as tantas a conversar/jogar outras cenas em conjunto. Mas se há alguém que teve uma importância tremenda para os ZHC e para a sua longevidade, essa pessoa é o Edgar. Um líder 5 estrelas, um líder que esteve sempre presente nos bons e maus momentos, alguém que nunca abandonou o barco e que ficou até ao fim. É com saudade que recordo os meus tempos nos ZHC, mas também orgulho, especialmente pela ultima época. Quase toda a gente saiu a meio da época e fiquei sem jogadores para acabar os jogos que faltavam, fui buscar pessoas que já nem jogavam para fazer os oficiais, nunca me passou pela cabeça enquanto o ultimo capitão dos ZHC deixar que uma equipa com a história da Zona terminasse a sua ultima época com desqualificação por FC. Posto isto, muito orgulho em ter capitaneado e representado a Zona Hax Club." @Zlatan - "Desde já gostaria de agradecer a oportunidade de me expressar perante o Jornal HBPT. Ora, sendo eu um dos membros mais antigos na comunidade, posso afirmar que acompanhei grande parte do trajeto dos ZHC. Globalmente, os ZHC eram a equipa (juntamente com os RHC) mais antiga de Portugal, era uma das equipas com o melhor convívio e com um dos melhores, senão o melhor capitão que já passou por aqui - o EDGAR. Era uma equipa acolhedora, sempre com grandes objetivos, grandes jogadores in-game e out-game. Eu fui um membro dos ZHC já numa fase de decadência, seja do haxball como da própria equipa, no entanto sempre demonstrou até ao ultimo suspiro ser das melhores equipas que Portugal já viu fora e dentro de campo. Em suma, os Zona Hax Club eram humildes, vencedores, empenhados, divertidos, uma equipa com uma maturidade a cima da média e deveriam ser o exemplo para as futuras e as novas equipas que por aqui andam. Para finalizar, salud a ZHC!" Veja ompleto
  11. 8 points
    Análise O Guarda-Redes ao Longo da História Em época de rescaldo e consequente preparação para a temporada seguinte, a equipa do Jornal HBPT decidiu fazer a sua própria análise fundamentada em dados estatísticos e opiniões de membros relevantes para a matéria em questão. Deste modo, abrimos espaço para um novo conceito, ou seja, inquirir quem são os nomes mais sonantes que passaram e que ainda se encontram no Haxball em Portugal numa determinada posição. Esta semana, começamos por aprofundar o nosso estudo sobre a posição Guarda-Redes. Efetivamente, trata-se de uma posição crucial para uma equipa, uma vez que um bom GK para além de transmitir confiança aos restantes colegas, também incute uma dinâmica diferente ao jogo, destacando-se principalmente no processo defensivo. Este é o último obstáculo com o golo, evidenciando geralmente uma forma simples de jogar, com pouca técnica e sem grandes argumentos ao nível do jogo, visto que a sua função é quebrar as investidas adversárias. Mas será que estes predicados se mantêm? Será que o GK atual progrediu ao nível técnico e táctico juntamente com a evolução do Haxball? Será que é a posição mais fácil de jogar? Muitas são as questões que se criam a este respeito. Neste âmbito, damos lugar a uma interpretação histórica. O papel do Guarda-Redes, com o passar do tempo, foi sendo menosprezado devido à evolução do jogo. Isto é, no início das competições 3vs3, o GK era visto como fundamental, pois tinha a função de distribuir jogo, defender espaços interiores, levar jogo para o ataque e eventualmente organizar a equipa dentro de campo. Contudo, quando foi introduzido outro tipo de modos que envolviam 4 jogadores de cada lado o GK passou a ter um papel mais passivo, focando-se praticamente na sua baliza. Com isto surgiram opiniões de que esta posição seria a mais fácil de se jogar, uma vez que era a que se prendia a uma área mais restrita sem ser necessário desenvolver grandes capacidades técnicas. Já nos últimos tempos, passaram a existir tácticas que fazem o GK ter um papel preponderante em todos os modos, fazendo com que este se envolva mais no processo ofensivo. Grandes personalidades deixaram a sua marca no HBPT e continuam a deixar. Nomes como, por exemplo, RaTo, TheFuckingLeet, Perfecionista, cromado, SimplySCP, SupertugA ou Pringles foram figuras incontornáveis de qualidade e com prestações regulares em equipas de topo. Destacaram-me pelo seu posicionamento, rigor táctico, controlo do 'boneco' e aptidões ao nível da skill. Nos dias que correm, e segundo o STAFF, destacaram-se 4 GK's, isto é: MeteRespeito, irvi, GoKu e Tuto (desde já, o Jornal gostaria de dar os parabéns aos nomeados e ao vencedor da votação - Tuto). E para desvendar algumas facetas e polémicas que envolveram todo este processo decidimos entrevistar os intervenientes com questões pertinentes, colocando-os num frente a frente! Nota: O jogador MeteRespeito decidiu não colaborar neste artigo, invocando que tinha intenção de deixar o jogo e que não queria envolver-se em mais nenhum assunto relacionado com o HBPT. Assim, o debate foi realizado com os membros @-Tuto!, @irvi e @GoKu. Entrevistador - Como olharam para a logística da votação de melhor GK da última temporada? Acham que os resultados foram de acordo com a qualidade individual de cada um dos nomeados? Tuto - Primeiramente queria agradecer pelo convite. Bem, não digo que foram de acordo com a qualidade individual, porque ao falarmos de qualidades individuais, estamos falar sobre skill, ataque, defesa, posicionamento e passe. Acho que eu e o irvi somos bastante diferentes em termos de características. Eu vejo o irvi como um jogador da frente de ataque e não GK (corrijam-me se estiver enganado), e por isso considero-me melhor em termos de defesa e posicionamento do que ele. Contudo, considero que o irvi é melhor em skill, ataque e passe. Diga-se que os 4 nomeados eram todos muito fortes. Mas tudo somado, penso que tanto eu como o irvi podíamos ter ganho, porque, apesar de para mim o irvi não ser GK, desempenhou muito bem essa função e não era nenhum escândalo a atribuição do prémio a qualquer um de nós os 2. Por outro lado, acho que para que o MeteRespeito tivesse entrado na luta por melhor GK teria de ter participado em mais jogos... como não participou em tantos como os outros nomeados era bastante difícil ganhar o prémio de melhor GK da época. irvi - Eu não estive, de todo, em concordância com a maneira como as votações foram feitas. A meu ver, este tipo de votações são sempre injustas, pois as pessoas que tiver mais amigos na comunidade acaba sempre por ganhar... por exemplo, como é que o MeteRespeito teve mais votos que eu quando só fez dois jogos? Acho que não preciso de dizer mais nada. GoKu - Este sistema de votações também se faz na FeedMe Haxball. Mas, devo dizer que acabei por não gostar do formato para este inquérito de melhor GK. Na minha opinião, se só votassem os capitães, o resultado teria sido mais realista. Só o facto do campeão e o sub-campeão da liga ficassem nos dois últimos lugares diz muito sobre estas votações e sobre as pessoas que votam. Mas é isto... se tivessem votado os capitães teria ajudado para a credibilidade da votação. Entrevistador - No vosso ponto de vista, qual foi o melhor GK que passou pelo HBPT? E porquê? Tuto - Esta é uma pergunta bastante difícil de responder. É complicado dizer quem foi o melhor, porque antigamente havia um vasto conjunto de GK's cheios de qualidade, tais como Pringles, Mark, Muller, Mód Ród, Red El Javi, Davemustaine, entre outros (e peço desculpa se me estou a esquecer de outros - estes foram os primeiros que me vieram à cabeça). Não posso dar os motivos de que me levam a referir alguns nomes em específico, mas posso responder ao porquê de existirem muitos Guarda-Redes com muita qualidade em tempos antigos no HBPT. Isto é, como havia um maior número de equipas, o número de jogadores tinha que ser maior e consequentemente existiria maior qualidade. Os GK's antigos do HBPT eram diferentes, porque possuíam todas as qualidades individuais possíveis. Não digo que todos expressassem essas qualidades da mesma forma, mas, na minha opinião, esse era o porquê de os Guarda-Redes que passaram antigamente pelo HBPT serem de mais qualidade e diferentes dos que há atualmente (como eu). Não era por acaso que quase todos os GK'S podiam desempenhar a função de trinco... tinham qualidade e capacidade para tal. irvi - O melhor GK português, sem qualquer dúvida, foi e é o Pringles. Simplesmente é o Guarda-Redes que consegue mais facilmente completar uma equipa, ou seja, é do melhor que há a antecipar e toma sempre as decisões corretas. Uma equipa do topo necessita disso. GoKu - Sem dúvida que o Pringles foi o melhor GK que tenho visto desde a minha entrada no HBPT. Também é verdade que não tenho olhado muito para a comunidade, mas ele até é bastante reconhecido internacionalmente, pelo que não posso indicar um nome melhor neste aspeto. Defensivamente e ofensivamente tem umas qualidades incríveis, com grande controlo do spam (que ajuda muito um GK). Entrevistador - Tuto, foste considerado o melhor GK da última época, apresentado números bastante aceitáveis. Achas que atualmente podes ser visto como o melhor GK no Haxball português? Tuto - Até posso ser visto dessa maneira, se olharmos para os números desta época. Não é descabido se consideram-me o melhor GK hoje em dia. Pessoalmente, não gosto de me considerar isso porque foi apenas uma boa época e há melhores GK's que eu (não tenho problemas em admitir isso). Refiro-me a personalidades que ou já não jogam isto ou que não estiveram ativos nesta época que se passou. Vou focar-me na próxima época e trabalhar juntamente com a minha equipa para atingir os nossos objetivos. Veremos o que nos guarda o futuro. Com certeza que será mais fácil responder a essa pergunta no final da próxima temporada. Entrevistador - irvi, pode-se afirmar que o GK sempre foi e será um jogador limitado? Achas que esta posição evoluiu juntamente com o avançar do nível técnico e táctico do Haxball? irvi - Para mim, o GK não é um jogador limitado. Já no que diz respeito à segunda questão, é óbvio que a posição evoluiu bastante. Exemplificando: antigamente ninguém se antecipava a uma bola - a maioria ficava dentro da baliza; só os melhores na altura faziam isso (e por isso é que se destacavam dos outros); hoje em dia todos fazem isso (ou tentam) e quem não faz, não arranja equipa (no estrangeiro pelo menos). Posto isto, eu acho que a posição de GK foi das que mais evoluiu com o decorrer do jogo. Entrevistador - GoKu, quais são os atributos que um bom GK precisa de ter? GoKu - É sempre necessário ter boa colocação. Efetivamente, é imprescindível para um GK ficar sempre em boa colocação, mesmo se não tiver um bom spam. Depois depende da equipa na qual estiveres a jogar, isto é: se és um Guarda-Redes defensivo, numa equipa de menor nível ias fazer muito mais; se és ofensivo, tendes a arriscar mais; se não tens uns médios que defendam bem, é óbvio que não vais ter o rendimento esperado. Por fim, também temos que ter em conta o facto de manter sempre a cabeça fria, dado que um GK tem de estar constantemente a pensar na saída da bola da defesa, pelo que um mau jogo acaba por ter efeito negativo, nomeadamente no resultado. Entrevistador - É tudo. Muito obrigado aos três pelo vosso contributo! Penso que conseguimos dignificar o papel do GK ao longo da história do HBPT e descortinar alguns aspetos do jogo. Veja ompleto
  12. 8 points
    "O verdadeiro amigo ama em todos os momentos. E torna-se um irmão em tempos de aflição." Provérbios 17:17 Quão divertido pode ser jogar haxball com os nosso amigos? Certamente, é um dos aspetos principais de muitos continuarem aqui por muitos anos, com mais ou menos disponibilidade. No entanto, há muito mais envolvido nisso e é por essa razão que decidi ir mais ao fundo da questão. "O termo comunidade ainda é usado para denominar uma forma de associação muito íntima, um grupo altamente integrado em que os membros encontram-se ligados uns aos outros por laços de simpatia" Uma comunidade virtual tem as mesmas características que a física, apenas não há a necessidade intrínseca dos membros se conhecerem pessoalmente, ou até mesmo conversarem por voz. É um género de "família online" que pode tornar-se essencial em muitos casos. Pensemos no seguinte: No mundo virtual, podemos assumir um nome, uma postura ou emoções que não transmitimos na vida real. Pode ter dois efeitos: Ou desligamos do mundo real e esquecemos tudo o que está lá, ou usamos essa possibilidade para exprimir quem nós somos, visto que não nos é possível fazer no mundo "lá fora". Neste sentido, há uma variedade de possibilidades em que a comunidade pode ser uma mais-valia: Problemas Reais- A comunidade não resolve, mas pode ser um porto seguro, onde tudo o que nos corrói a alma, tudo o que nos aflige, simplesmente não é visível. Temos oportunidade de passar bons momentos, em companhia dos que mais gostamos, no nosso canto... em paz! Preencher Vazios- Muitos não experienciam o amor de uma família, por não terem, ou por simplesmente não receberem o que precisavam. Ou, muitos sentem-se sozinhos, sem amizades que acrescentem algo positivo.Quão bom seria ter amigos que te valorizam e que gostam de ti por quem és? Basta isto para remendar o coração! Muitos têm assumido esse papel aqui, ajudando em problemas reais, sendo amigos de verdade, não só no jogo em si. Valores- Parecendo que não, uma comunidade transmite-nos coisas boas e molda a nossa personalidade. Se estivermos cá da maneira correta, aprendemos a ter empatia, honestidade e sentido de companheirismo. Aprendemos o que é viver em grupo e respeitar os demais, de modo a sermos respeitados de volta. O que é certo é que a comunidade já teve melhores dias. Muitos valores e atitudes já se perderam, talvez pela renovação constante dos membros. Se pensarmos que toda a alegria que muitos podem ter..é estar aqui? Independentemente de termos uma vida normal ou não, a comunidade deve ser acolhedora e transmitir o bem! De que vale discussões, conflitos e tudo isso? Já basta o que temos lá fora... não há necessidade de transpor isso para este meio. Pontos que nos ajudam a ser um membro melhor na comunidade: Empenharmo-nos pela paz-> Quando surgir divergências, procurar a solução e não alimentar discussões sem nexo. Reconhecer nossos erros-> Quando admitimos que erramos, ajudamos outros a fazerem o mesmo, estando diretamente relacionado com a paz. Perdoar os erros dos outros-> Quando perdoamos erros, motivamos outros a darem o seu melhor e a não desistir, apesar dos erros passados. Ser amigo do nosso amigo-> Ao estarmos dispostos a ajudar sempre que necessário, criamos laços mais profundos e aumentamos a confiança mútua. Neste âmbito, falei brevemente com o @izmailov sobre este assunto, expondo a sua experiência pessoal: "A comunidade funciona como uma "rede social" e ajudou muito a conhecer pessoas desconhecidas que futuramente se tornaram amigas.No meu caso, fez-me esquecer os problemas do mundo real como familia e etc...Hoje jogo haxball também com influência desta comunidade,que já faço parte desde 2011." O Haxball é o motor desta comunidade, mas o carro não anda só com o motor, falta o resto das peças. Não é o jogo em si que prende os membros durante muito tempo, é a amizade e a diversão, por isso, se assumirmos uma boa postura aqui, vamos permitir que a comunidade cresça e não sirva apenas como um ponto de encontro para jogar um jogo, mas sim um sítio que promove bons valores e ajuda quem precisa. Veja Hompleto
  13. 7 points
    Análise O Guarda-Redes ao Longo da História Em época de rescaldo e consequente preparação para a temporada seguinte, a equipa do Jornal HBPT decidiu fazer a sua própria análise fundamentada em dados estatísticos e opiniões de membros relevantes para a matéria em questão. Deste modo, abrimos espaço para um novo conceito, ou seja, inquirir quem são os nomes mais sonantes que passaram e que ainda se encontram no Haxball em Portugal numa determinada posição. Esta semana, começamos por aprofundar o nosso estudo sobre a posição Guarda-Redes. Efetivamente, trata-se de uma posição crucial para uma equipa, uma vez que um bom GK para além de transmitir confiança aos restantes colegas, também incute uma dinâmica diferente ao jogo, destacando-se principalmente no processo defensivo. Este é o último obstáculo com o golo, evidenciando geralmente uma forma simples de jogar, com pouca técnica e sem grandes argumentos ao nível do jogo, visto que a sua função é quebrar as investidas adversárias. Mas será que estes predicados se mantêm? Será que o GK atual progrediu ao nível técnico e táctico juntamente com a evolução do Haxball? Será que é a posição mais fácil de jogar? Muitas são as questões que se criam a este respeito. Neste âmbito, damos lugar a uma interpretação histórica. O papel do Guarda-Redes, com o passar do tempo, foi sendo menosprezado devido à evolução do jogo. Isto é, no início das competições 3vs3, o GK era visto como fundamental, pois tinha a função de distribuir jogo, defender espaços interiores, levar jogo para o ataque e eventualmente organizar a equipa dentro de campo. Contudo, quando foi introduzido outro tipo de modos que envolviam 4 jogadores de cada lado o GK passou a ter um papel mais passivo, focando-se praticamente na sua baliza. Com isto surgiram opiniões de que esta posição seria a mais fácil de se jogar, uma vez que era a que se prendia a uma área mais restrita sem ser necessário desenvolver grandes capacidades técnicas. Já nos últimos tempos, passaram a existir tácticas que fazem o GK ter um papel preponderante em todos os modos, fazendo com que este se envolva mais no processo ofensivo. Grandes personalidades deixaram a sua marca no HBPT e continuam a deixar. Nomes como, por exemplo, RaTo, TheFuckingLeet, Perfecionista, cromado, SimplySCP, SupertugA ou Pringles foram figuras incontornáveis de qualidade e com prestações regulares em equipas de topo. Destacaram-me pelo seu posicionamento, rigor táctico, controlo do 'boneco' e aptidões ao nível da skill. Nos dias que correm, e segundo o STAFF, destacaram-se 4 GK's, isto é: MeteRespeito, irvi, GoKu e Tuto (desde já, o Jornal gostaria de dar os parabéns aos nomeados e ao vencedor da votação - Tuto). E para desvendar algumas facetas e polémicas que envolveram todo este processo decidimos entrevistar os intervenientes com questões pertinentes, colocando-os num frente a frente! Nota: O jogador MeteRespeito decidiu não colaborar neste artigo, invocando que tinha intenção de deixar o jogo e que não queria envolver-se em mais nenhum assunto relacionado com o HBPT. Assim, o debate foi realizado com os membros @-Tuto!, @irvi e @GoKu. Entrevistador - Como olharam para a logística da votação de melhor GK da última temporada? Acham que os resultados foram de acordo com a qualidade individual de cada um dos nomeados? Tuto - Primeiramente queria agradecer pelo convite. Bem, não digo que foram de acordo com a qualidade individual, porque ao falarmos de qualidades individuais, estamos falar sobre skill, ataque, defesa, posicionamento e passe. Acho que eu e o irvi somos bastante diferentes em termos de características. Eu vejo o irvi como um jogador da frente de ataque e não GK (corrijam-me se estiver enganado), e por isso considero-me melhor em termos de defesa e posicionamento do que ele. Contudo, considero que o irvi é melhor em skill, ataque e passe. Diga-se que os 4 nomeados eram todos muito fortes. Mas tudo somado, penso que tanto eu como o irvi podíamos ter ganho, porque, apesar de para mim o irvi não ser GK, desempenhou muito bem essa função e não era nenhum escândalo a atribuição do prémio a qualquer um de nós os 2. Por outro lado, acho que para que o MeteRespeito tivesse entrado na luta por melhor GK teria de ter participado em mais jogos... como não participou em tantos como os outros nomeados era bastante difícil ganhar o prémio de melhor GK da época. irvi - Eu não estive, de todo, em concordância com a maneira como as votações foram feitas. A meu ver, este tipo de votações são sempre injustas, pois as pessoas que tiver mais amigos na comunidade acaba sempre por ganhar... por exemplo, como é que o MeteRespeito teve mais votos que eu quando só fez dois jogos? Acho que não preciso de dizer mais nada. GoKu - Este sistema de votações também se faz na FeedMe Haxball. Mas, devo dizer que acabei por não gostar do formato para este inquérito de melhor GK. Na minha opinião, se só votassem os capitães, o resultado teria sido mais realista. Só o facto do campeão e o sub-campeão da liga ficassem nos dois últimos lugares diz muito sobre estas votações e sobre as pessoas que votam. Mas é isto... se tivessem votado os capitães teria ajudado para a credibilidade da votação. Entrevistador - No vosso ponto de vista, qual foi o melhor GK que passou pelo HBPT? E porquê? Tuto - Esta é uma pergunta bastante difícil de responder. É complicado dizer quem foi o melhor, porque antigamente havia um vasto conjunto de GK's cheios de qualidade, tais como Pringles, Mark, Muller, Mód Ród, Red El Javi, Davemustaine, entre outros (e peço desculpa se me estou a esquecer de outros - estes foram os primeiros que me vieram à cabeça). Não posso dar os motivos de que me levam a referir alguns nomes em específico, mas posso responder ao porquê de existirem muitos Guarda-Redes com muita qualidade em tempos antigos no HBPT. Isto é, como havia um maior número de equipas, o número de jogadores tinha que ser maior e consequentemente existiria maior qualidade. Os GK's antigos do HBPT eram diferentes, porque possuíam todas as qualidades individuais possíveis. Não digo que todos expressassem essas qualidades da mesma forma, mas, na minha opinião, esse era o porquê de os Guarda-Redes que passaram antigamente pelo HBPT serem de mais qualidade e diferentes dos que há atualmente (como eu). Não era por acaso que quase todos os GK'S podiam desempenhar a função de trinco... tinham qualidade e capacidade para tal. irvi - O melhor GK português, sem qualquer dúvida, foi e é o Pringles. Simplesmente é o Guarda-Redes que consegue mais facilmente completar uma equipa, ou seja, é do melhor que há a antecipar e toma sempre as decisões corretas. Uma equipa do topo necessita disso. GoKu - Sem dúvida que o Pringles foi o melhor GK que tenho visto desde a minha entrada no HBPT. Também é verdade que não tenho olhado muito para a comunidade, mas ele até é bastante reconhecido internacionalmente, pelo que não posso indicar um nome melhor neste aspeto. Defensivamente e ofensivamente tem umas qualidades incríveis, com grande controlo do spam (que ajuda muito um GK). Entrevistador - Tuto, foste considerado o melhor GK da última época, apresentado números bastante aceitáveis. Achas que atualmente podes ser visto como o melhor GK no Haxball português? Tuto - Até posso ser visto dessa maneira, se olharmos para os números desta época. Não é descabido se consideram-me o melhor GK hoje em dia. Pessoalmente, não gosto de me considerar isso porque foi apenas uma boa época e há melhores GK's que eu (não tenho problemas em admitir isso). Refiro-me a personalidades que ou já não jogam isto ou que não estiveram ativos nesta época que se passou. Vou focar-me na próxima época e trabalhar juntamente com a minha equipa para atingir os nossos objetivos. Veremos o que nos guarda o futuro. Com certeza que será mais fácil responder a essa pergunta no final da próxima temporada. Entrevistador - irvi, pode-se afirmar que o GK sempre foi e será um jogador limitado? Achas que esta posição evoluiu juntamente com o avançar do nível técnico e táctico do Haxball? irvi - Para mim, o GK não é um jogador limitado. Já no que diz respeito à segunda questão, é óbvio que a posição evoluiu bastante. Exemplificando: antigamente ninguém se antecipava a uma bola - a maioria ficava dentro da baliza; só os melhores na altura faziam isso (e por isso é que se destacavam dos outros); hoje em dia todos fazem isso (ou tentam) e quem não faz, não arranja equipa (no estrangeiro pelo menos). Posto isto, eu acho que a posição de GK foi das que mais evoluiu com o decorrer do jogo. Entrevistador - GoKu, quais são os atributos que um bom GK precisa de ter? GoKu - É sempre necessário ter boa colocação. Efetivamente, é imprescindível para um GK ficar sempre em boa colocação, mesmo se não tiver um bom spam. Depois depende da equipa na qual estiveres a jogar, isto é: se és um Guarda-Redes defensivo, numa equipa de menor nível ias fazer muito mais; se és ofensivo, tendes a arriscar mais; se não tens uns médios que defendam bem, é óbvio que não vais ter o rendimento esperado. Por fim, também temos que ter em conta o facto de manter sempre a cabeça fria, dado que um GK tem de estar constantemente a pensar na saída da bola da defesa, pelo que um mau jogo acaba por ter efeito negativo, nomeadamente no resultado. Entrevistador - É tudo. Muito obrigado aos três pelo vosso contributo! Penso que conseguimos dignificar o papel do GK ao longo da história do HBPT e descortinar alguns aspetos do jogo.
  14. 7 points
    Há poucos dias, foi anunciada a lista que compunha o Staff para a próxima época. A mensagem geral foi clara: união e confiança para que este Staff consiga desempenhar suas funções da melhor maneira possível. Para que haja união e confiança, é necessário esquecer aspetos menos bons do passado e pegar nos pontos positivos de modo a que haja uma ligação de respeito forte entre membros e Staff. Claro que nem todos querem assumir esta atitude, no entanto, se todos fizermos um esforço, teremos um ambiente saudável e divertido, que, por norma, deveria ser sempre o espírito de um jogo simples sem quaisquer “interesses” pelo meio. De modo a perceber quais foram as razões de alguns regressos e também os objetivos estipulados, fui conversar com alguns membros da nova equipa do Staff para que eles apresentassem suas opiniões sinceras, com o objetivo de esclarecer a comunidade em diversos aspetos. Entrevistas Moussa- O que está diferente para teres aceite novamente um cargo no HBPT? Gon- Não tencionava regressar, de todo. O que me fez aceitar foi o facto de entrar aqui e ver o estado do HBPT, aliado à vontade do Ubdersoul e do Pereira em contarem comigo. Pablo Aimar- Na verdade não está nada diferente, o Ubder pediu-me para voltar porque na opinião dele sou uma mais valia para o staff neste momento. Foi a convicção de que posso ser útil devido à minha experiência que me fez voltar. Moussa- O que achas da nova equipa formada do Staff? Gon- Experiência + Sangue novo. Até ver, tem tudo para correr bem porque todos são dedicados, confesso que no passado convivi com alguns membros no STAFF que tinham ideias muito diferentes das minhas, e sobretudo maneiras de atuar, e não gostava nada. As deste STAFF, de todos os membros, parecem encaixar nas minhas. Para mim é crucial quando se trabalha e este grupo tem um historial que mostra trabalho, todos eles. Pablo Aimar- A nova equipa do staff é um misto de experiência (eu, gon, Ubder) e de sangue novo (Templle e Ryuchi) e é uma junção ,que a meu ver, pode dar frutos. Quanto aos regressos, é tudo pessoal capaz e experiente, que sabe o que deve fazer. Quanto ao Templle e Ryuchi, comecei por não ser o maior fã, mas fui vendo que mostravam trabalho e hoje não tenho dúvidas que serão bons membros dentro do staff. Parece-me, por isso, uma equipa empenhada em levar o HBPT no bom caminho. Templle- Bem, na minha opinião, eu não concordei com a vinda do Gon e do Pablo e eu acho que eles o sabem, eu julguei-os por umas coisas passadas. Eles já estão na equipa há uns dias, já convivo com eles desde que eles entraram e posso dizer com total certeza que irão fazer um excelente trabalho, são pessoas 5* que estão a ser julgadas pelo que fizeram depois de sair do staff ou porque alguém dentro da staff manchou o nome deles e eles ficaram com as culpas (não vou dizer quem, mas acho que toda a gente sabe). O Pablo e o gon são experientes e irão fazer o melhor pela comunidade, não devemos julgar pelo que aconteceu quando saíram e sim pelo que vamos fazer. É um prazer trabalhar com eles os 2 e acho que nos vamos dar todos bem. Quanto ao Ryuakaishow, penso que não preciso de dizer nada. Vamos ser a melhor equipa e vamos erguer isto tudo novamente. Moussa- Ao retornares, pensas utilizar outra abordagem ou mudar certos comportamentos que talvez não tenham resultado no passado? Gon- A minha vida mudou e eu considero-me um pouco diferente nos dias de hoje. Se a minha postura vai resultar é algo que o futuro nos vai dizer. Pablo Aimar- Vou continuar a trabalhar em prol da comunidade e a defender-me das criticas com esse mesmo trabalho. Claro que o erro faz-nos sempre aprender e alguns erros que cometi não voltarão a acontecer. Mais do que comportamentos individuais, estou confiante no nosso comportamento enquanto equipa. Dentro deste novo staff, temos alguns que já trabalharam arduamente durante 1 época. Vejamos o balanço desta experiência! Moussa- Após 1 época fazendo parte do Staff, como tem sido a experiência? Templle- Eu acho que é uma coisa difícil de explicar. Tenho gostado bastante de estar a ajudar a comunidade (ou a tentar). Sempre tentei trazer ideias e criar inovações para o fórum e para o TeamSpeak3. No fórum, eu tentei trazer a atividade ao mesmo, mas não é uma coisa fácil. No TeamSpeak3 temos bastantes coisas, mas tudo graças ao Ryuakaishow. Tive bastante trabalho na minha primeira época e acabei a fazer mais que as minhas funções, mas ainda bem que assim foi, não me custa nada perder uns minutinhos a arranjar as coisas. Moussa- Foi o trabalho que pensavas, ou tem sido diferente? Templle- O meu trabalho foi bastante diferente do que pensava. Eu inicialmente, vim com tudo e continuei a dar o meu melhor. Eu era o dinamizador, era suposto eu dinamizar e trazer ideias à equipa para a melhoria da staff, mas não seria fácil meter em prática algumas das minhas ideias. Alguns dos meus antigos parceiros tinham sempre pontos negativos em mente e nunca queriam tentar. Não haviam voluntários para certas coisas e eu sozinho não conseguiria controlar as coisas que queria fazer. Ao longo dos tempos (durante a época) fui ganhando mais funções, até porque, por exemplo, alguns membros do staff, tiveram de abandonar a equipa devido a motivos pessoais. Eu comecei a tratar da equipa para a draft, acabei a liga 3v3, tentei arranjar soluções para alguns problemas, mas nem tudo foi um mar de rosas no staff. Eu já falei com o Sir e estou a pensar em tentar dar um novo aspeto ao fórum, mas não há nada certo. Isto tudo para explicar que tive um papel bastante diferente do que me era esperado. Moussa- Após algumas críticas à tua nomeação, pensas estar a responder bem e a corresponder ao trabalho que te foi dado? Templle- Eu penso estar a responder muito bem ao meu trabalho e quero fazer mais e melhor. Quero ficar por aqui muito tempo e deixar a minha marca. Quero alcançar todos os objetivos que tenho em mente e fazer o que os outros não fizeram. As críticas feitas quando eu entrei, tiveram a sua razão. Eu era uma criança no passado, penso que todos se lembram das minhas atitudes infantis. Eu fui banido 5 épocas, mas devido à minha boa conduta, o Pablo Aimar reduziu a 2 épocas. E porque fui banido? O azis mandou uma room down durante um oficial e eu, enquanto capitão, tive de me responsabilizar pelo acontecimento. Toda a gente sabe que aquilo não aconteceu por minha vontade. Eu penso que tenho conseguido ir contra todas as críticas negativas que me são feitas e provar o contrário, até porque eu tento aproveitar as críticas para poder melhorar. Algumas pessoas não fazem críticas e sim ataques e, a esses, só posso ignorar e mostrar com o meu trabalho que eles não sabem nada do que se passa e que são só haters. Moussa- O que procuras melhorar em relação aos métodos feitos em drafts anteriores? Bot- Para já, o meu objetivo passa por igualar o número de jogadores em drafts de outros tempos, mas isso não depende só de mim, como é óbvio. Depois disso, acho que o aspeto mais importante será ter uma boa organização, coisa que já não é fácil, de momento, com média de 16/18 jogadores por draft. Em drafts anteriores o número de jogadores era elevado e não era fácil ter controlo de 30+ jogadores, vai sempre existir problemas mas isso depois vai depender muito da forma como o drafter resolve os problemas sem prejudicar e/ou abrandar o decorrer da draft. Moussa- Que variedades de mapas poderemos esperar? Bot- Num futuro próximo, podem esperar drafts de futsal tanto 3v3 ou 4v4, mas para isso é preciso um trabalho árduo não só dos organizadores em cativar pessoal das públicas do Futsal para virem jogar drafts, como também dos próprios jogadores da comunidade em que terão de fazer um esforço e aceitar drafts de mapas diferentes em vez de verem só big à sua frente. Podem esperar também drafts de RealSoccer ou até mesmo de outros mapas como 10man. Isso só dependerá dos users, eu costumo fazer drafts daquilo que os users me pedem, associando sempre com o número de participantes. Moussa- Qual a periodicidade entre drafts, vistos muitos estarem de férias agora? Bot- Não posso prometer drafts todos os dias, até porque isso será quase impossível da minha parte e acho que tudo o que é demais enjoa, mas a partir da próxima semana posso prometer que teremos pelo menos 3/4 drafts por semana, nem sempre fazemos draft com aviso no forúm, é algo que decorre muito do momento, consoante o número de users online e os pedidos dos mesmos para se fazer uma draft naquele exato momento, inclusive já houve drafts bem para lá das 23:30h com bom feedback para os tempos que decorrem no HBPT. Os membros do jornal, fazendo também parte do staff ( tendo como é óbvio funções distintas dos restantes), querem também transmitir uma necessidade de mudar certas opiniões e julgamentos e mantermo-nos unidos, pois só assim conseguiremos atingir a estabilidade. Da minha parte e do @Neve., queremos agradecer todo o feedback e apoio aos nosso conteúdos, pois eles são feitos especiamente para todos os membros, de modo a que disfrutem e que haja muito mais que apenas um simples jogo, mas também um entretenimento contínuo! O ponto chave é discutir várias temáticas, sempre de modo positivo, evitando ao máximo o ataque pessoal, pois ele não acrescenta nada à discussão, só tira o seu propósito. Por fim, quero agradecer ao @gon, @Pablo Aimar, @TemplleGoku e @Bot pela disponibilidade de conversarem com o Jornal! Como conclusão, não podemos esquecer de agradecer ao @SirPereira, porque, através do seu esforço dinâmico, tudo isto foi possível! Veja 3ompleto
  15. 7 points
    No passeio da fama com @irvi Como é que te defines enquanto jogador, considerando os aspetos individuais e coletivos? No aspeto individual, penso que sou um jogador bastante a cima da média, tendo em conta os jogadores que compõem a comunidade nos dias de hoje. Coletivamente, e para te ser muito sincero, ás vezes exagero e costumo brincar nos amigáveis, irritando-me constantemente com os meus colegas de equipa. Portanto, penso que eles te podem responder melhor a essa questão. Atualmente achas que estás dentro do lote dos cinco melhores jogadores em Portugal? Sendo muito sincero, acho que não. Para mim, atualmente o melhor jogador em Portugal é sem dúvidas o @Saky, seguindo-se do @wassup. O resto dos jogadores que se encontram dentro de um "top 10" é muito equivalente. Na minha opinião, penso que sou o sétimo/oitavo melhor jogador português ainda em prática, ou seja, a jogar com regularidade. Tens algum objetivo que ainda gostavas de realizar no Haxball? Ganhar uma Champions League (CL) com os EA, ou uma Nations pelo país. Qual foi a equipa que te mais marcou e a que mais te decepcionou na tua carreira haxbolística? Para mim a equipa que mais me marcou no passado foram os AH, uma vez que continha pessoas muito porreiras, e ainda porque aprendi a dar uns toques com o mano @loled. No presente, óbvio que são os EA, por razões óbvias. Curiosamente, nunca nenhuma equipa me decepcionou - eu é que as decepcionava. Esta época passada foi magnífica para os EA, dado que conquistaram todas as competições internas, alcançando o famoso triplete. Como capitão, sentiste-te uma peça fundamental para este feito? E, já agora, pensas que é possível fazerem melhor na próxima temporada? Acho que não. Ganhamos o triplete porque simplesmente éramos a melhor equipa em todas as competições. Aliás, penso que ainda somos. Assim, posso dizer que temos todas as condições para fazer igual ou melhor na próxima época, sem problemas. Passando agora para o panorama das equipas nacionais. Pensas que daqui para a frente existirá mais competitividade na disputa dos troféus coletivos? E com a chegada de algumas equipas/ melhoramento das já existentes não "temes" ninguém em específico? A única equipa que nos pode causar algum desconforto são os Storm Wolves (SW), mas mesmo assim penso que somos superiores. Concordas com a introdução de novos modos de jogo para cativar mais jogadores a ingressar na comunidade? Refiro-me nomeadamente às pessoas que andam pelas salas públicas, e até para trazer algumas "velhas guardas". Não tenho uma opinião formada em relação a esse assunto... mas sim, penso que talvez a ingressão de novos modos de jogo (por exemplo, o futsal) possa ajudar a comunidade em termos de ''rejuvenescimento''. O que achas que falta neste momento ao HBPT? Muito simples - Sangue Novo! Na tua opinião, a atual equipa do STAFF tem capacidade para voltar a erguer o HBPT? E porquê? Olhando para o STAFF em si, é pessoal já com experiência no cargo, e isso pode trazer algumas vantagens. Contudo, e vou voltar a dizer, apesar do STAFF ser ''bom'' o problema não está aí, mas sim na falta de pessoal no jogo. Caso isto mude, também penso que é o STAFF correto para comandar a reviravolta no estado de coisas. Em tom de conclusão, gostavas de deixar alguma palavra para os leitores do Jornal HBPT? E, aproveitando a oportunidade, o que tens achado dos artigos e da organização da nova equipa do Jornal? Gostava de dizer uma coisa: o Joel usa palinha. Agora a sério, continuem com o ótimo trabalho que têm feito. O Jornal e a sua equipa estão a ajudar bastante a comunidade, pois é algo sempre interessante e apelativo. No que me diz respeito, sempre adorei ler e gostava, por fim, também de agradecer por ser o primeiro entrevistado neste vosso projeto! Um bem haja. Veja
  16. 7 points
    A partir do momento em que dizes que existem "milhões de pessoas PT e internacionais que querem ter Competição de Futsal" eu deixei de levar o teu post a sério.
  17. 7 points
  18. 6 points
    Abre-se a rubrica "Notícias da Semana" com os tópicos de maior destaque. Temos retornos, polémicas, transferências e muito mais! Sem mais demoras, disfrutem! "Africanos" de volta ao ativo! Como capitão dos AFK, pretendo transmitir algumas das ideias que possibilitaram o regresso da equipa. Em primeiro lugar, consegui concretizar o objetivo de reativar certos amigos, de modo a que alguma parte da anterior equipa permaneça no núcleo duro deste projeto melhorado. Desta vez, pretendemos, através de uma liderança mais madura e sólida, construir uma equipa duradoura, ao contrário do que aconteceu na primeira versão, o ano passado. Com personalidades escolhidas a dedo, é mais fácil saber o que esperar de cada um. Sem dúvida, quando os que estão na liderança são amigáveis mas conseguem manter o respeito e autoridade, a equipa tem chances de melhorar mentalmente e também nas performances, em si. Esperamos contribuir para a "ressurreição" do HBPT, sempre de um modo honesto e respeitoso. HaxTransferências Caso tenham estado desatentos esta semana, temos aqui os movimentos de mercado desde 16/7. @Wozal (COP) -> MB @TiggerFlex (Livre) -> MB @HeY DuDe (Livre) -> ACRUTZ @Modrić (Livre) -> ACRUTZ @reset (Livre) -> AFK @Supa (Livre) -> AFK @neoN- (Livre) -> SW Votação da "Team of the Season" A votação ainda não terminou, mas já há bastante para discutir! O método escolhido tem criado muita polémica, portanto o Jornal decidiu abordar o assunto. Até agora, parece que o resultado final poderá ser: @-Tuto! / @wassup / @-Renatooo. / @rg! "Consoante ao método de votação, foram efetuados alguns erros que transformaram uma coisa que teria um significado de condecoração numa rixa cerrada. O primeiro erro foi possibilitar a escolha a todos. Parece muito justo, não é? Nem por isso. Ao permitir que todos votem, são incluídas vários tipos de pessoas: a) Pessoas que estiveram ausentes e/ou só frequentam o forúm, escolhendo o seu jogador sem ter mínimo conhecimento do que realmente se passou durante a época. b) Pessoas que realmente acompanharam a época, mas encaram a votação como: Temos 4 jogadores para a posição X, escolhe o teu preferido/amigo! Além disso, ao deixar a votação em praça pública, ao passar do tempo, quem não concorda com os resultados até então, tem maior probabilidade de criar conflitos contra opiniões opostas. No meu ponto de vista, o ideal seria chamar os capitães de todas as equipas, onde eles, juntamente com o resto da equipa, deliberavam o seu 4 preferido dentro da "shortlist" estabelecida. Quando todas as sondagens tivessem reunidas, o 4 mais votado era anunciado. Seria o mais justo, visto que não há pessoas externas às equipas a observar e analisar o jogo e assim haveria um resultado mais aproximado da realidade da época." Moussa, 20/7/2018 African Olympics está aberto e com vagas! O torneio de pré-época, com diversas modalidades, está aberto e preparado para avaliar a forma das equipas, enquanto a nova época ainda não começou! Faltam apenas 3 vagas, não percas a oportunidade de te inscreveres em : Frase da semana "Confio plenamente em toda a gente que está dentro do staff e como admin peço a todos os utilizadores que partilhem comigo o voto de confiança a todas as pessoas que entraram de novo e sobretudo as que se mantiveram, tenho plena noção que não irá ser facil para todos aceitar esta decisão, mas mais uma vez vos peço um voto de confiança pois sei que esta equipa têm capacidades mais do que suficientes e acima de tudo muita vontade em trazer o Haxbal português de novo à sua atividade normal!" @UbderSoul, em https://haxball.pt/topic/1583-comunicado-novo-staff/. E estas foram as notícias desta semana! Espero que tenham gostado e até à próxima! Veja ompleto
  19. 6 points
    Ganharam aos blackout que não jogam à 1 ano, calem-se pfv
  20. 6 points
    @gon @Pablo Aimar
  21. 6 points
    Gostei muito da entrevista ainda por cima do @irvi o meu maninho. @Munir Por incrível que pareça o saky que era um morto fodido parece que conseguiu evoluir qql coisa. Derivado a alguma inacividade de alguns membros neste momento no hax concordo plenamente com saky/wassup devem ser dos jogadores que neste momento colocam mais horas, mas o terror mesmo sem pegar no html como pegava no flash consegue ser o top1 (minha opinião). Acho que o TOP10 não é muito difícil de se perceber EA+SW, duvido que fora destas duas equipas alguem entre no top10 tirando alguns GK's. Sobre a superiorização de EA/SW também acho que os EA tenham alguma vantagem GK (EA) DM (EA) SW (AM) ST (EA) Se comentarem atão mas o terror não é top1? é mas não é a DM XD Minha opinião sendo que para mim skill não é tudo Sobre o ''sangue novo'' acho que todos já percebemos que o hax estagnou devido ao pessoal existente ser sempre o mesmo, algo que neste momento já não se pode voltar atrás. Abraços Btw jornal muito apelativo.
  22. 5 points
    Se eu quiser um sorteio que me seja favoravel, basta repeti-lo até calhar o que eu queira, e depois postar apenas o video correspondente. Não é por postar a hora e a data que provas alguma coisa. Tens no video a lista de todos os nomes inscritos inclusive a do Nik que se inscreveu poucas horas antes de eu postar o sorteio.
  23. 5 points
  24. 5 points
  25. 5 points
    FUTSAL Modalidade que assolou o Haxball num instante, sem piedade. Atualmente, domina a maior parte das salas criadas, não só em Portugal, mas também no mundo todo. O que pode ser considerado como uma “moda”, parece ter uma afluência especial para quem começou a jogar recentemente, ou para quem percebe pouco dos aspetos técnico-táticos do Haxball comum e quer apenas divertir-se. Derivado a isto, muitos que pertencem à “renovação natural dos jogadores” recusam-se a jogar o habitual,preferindo apenas dedicar-se ao Futsal. Confrontos Todo este alvoroço criou um choque inevitável entre o “sangue novo” e os “ilustres e nobres”. A classe anti-futsal considera uma praga a afluência destes novos pensamentos, como se fossem uma faca a penetrar todas as memórias e nostalgia criadas a partir do modo mais clássico e habitual de jogar este jogo. Além dissoa insistência constante nesse mapa, pode ser extremamente irritante. Por outro lado, a classe neutra, apenas não se identifica com este modo de jogo, sendo um assunto irrelevante na sua mente. A diferença entre estas duas classes prende-se à evolução mental da maneira de pensar. Ilustração Somos um dono de uma loja de certo tipo de materiais. Cada material pode ter várias marcas, ou por outras palavras, diversos fornecedores. Por opção pessoal, pomos em stock materiais da marca X. Por muitos anos, há muita venda de material X, permitindo uma estabilidade duradora. No entanto, certo dia, chega um cliente e pede um material da marca Y. Nós, surpresos, dizemos que não trabalhamos com a marca Y, mas sim a X. Esta situação repete-se vezes sem conta, até que chega a um ponto que há mais procura de materiais da marca Y do que a X. Neste momento, há duas opções: Manter a confiança na marca X, como sempre. Se a situação explanada acima continuar, a procura de material de marca X vai ser tão pouca que não é suficiente para manter uma segurança financeira, havendo sérios riscos de ter de fechar o estabelecimento. Não quer dizer que aconteça, mas é um caminho cada vez mais apertado e calamitoso de atravessar. Ao ver a grande afluência da marca Y, decidimos pôr ambas as marcas em stock, visto que notamos que, apesar de não ser a nossa marca favorita, como vende bastante, é mais que aceitável ter essa marca em stock. O ponto-chave está aqui: Não apostámos apenas na marca Y, mas sim uma conjugação entre as 2! Ao permitir que haja diversidade, para diferentes tipos de pessoas, o negócio mudou de paradigma mas mantém-se estável e a render bom dinheiro. Se o Futsal é uma modalidade cada vez mais popular, porque não apostar nela? Não quer dizer que os que gostam apenas do Haxball clássico têm de se “converter” ao Futsal! Apenas tem de haver espaço para quem aprecia o Futsal como a melhor modalidade. Após conversar com alguns jogadores de Futsal, muitos não sabem que há um Fórum de Haxball Português...nem querem saber! Porquê? Não lhes tira, nem lhes acrescenta nada! Não havendo competições, apenas jogam em salas públicas quando querem e divertem-se “à brava”. A motivação é boa, mas o trabalho não é fácil. Não requereria apenas um organizador de Competições, mas também um “angariador de membros”. Este último, teria a função de chamar os que apenas jogam Futsal a criarem conta no HBPT, porventura acederem ao TS3 ou Discord, de modo a terem um “Cartão de Cidadão” e não serem apenas anónimos jogadores nas salas. Esta situação é um diamante em bruto, à espera de ser trabalhado! O “absurdo” Futsal poderá ser a “injeção de vida” na comunidade! Meditemos: No início, havia apenas o 3x3. Quando surgiu o 4x4, muitos não quiseram fazer a transição, ficando presos no passado. Com o tempo, passou a ser considerado o modo preferido em Portugal. Similarmente, o Big Easy passou de vilão a herói, mais um mapa que precisou de entrar no quotidiano para se tirar conclusões positivas. Toda essa evolução permitiu que Portugal se aproximasse de outros países no que toca à complexidade e qualidade de haxball praticado. Neste momento, o Futsal pode não acrescentar muito à reputação de Portugal, mas certamente aumentará o número de membros ativos. Não nos podemos esquecer de uma coisa: Se a maioria dos que jogam são “nabos”, não o serão para sempre. Com o tempo, podem envergar por outros caminhos e estabelecer-se no Haxball comum. Esta visão mais abrangente pode ser essencial para o presente, porque se não dermos uma chance à mudança, nunca saberemos o bom que ela poderá nos trazer!
  • Newsletter

    Want to keep up to date with all our latest news and information?

    Sign Up